Como funciona o HIV?

O vírus do HIV ataca as células do sistema imunológico, que é responsável por defender o nosso organismo de doenças. O principal foco do vírus, são as células de defesa conhecidas como  linfócitos T CD4+ ou CD4. O vírus, altera o DNA dessa célula para permitir fazer cópias de si mesmo. Depois que ele copia ele mesmo, ele destrói a célula CD4 e busca outra para reiniciar o processo. Criando assim muitas cópias dele mesmo. Ao longo dos anos, com a multiplicação do vírus e a diminuição das células T CD4+ a níveis críticos, o organismo fica vulnerável às infecções chamadas de doenças oportunistas, que comumente não acontecem em quem tem uma boa imunidade.

A infecção pelo HIV é classificada em 4 etapas:

1. Infecção aguda

Nessa fase, de 3 a 6 semanas, uma grande quantidade do vírus é reproduzida no organismo. A maioria das pessoas apresenta os sintomas de uma gripe muito forte, e é muito fácil de passar despercebido.

2. Fase assintomática

O vírus está ativo no sistema, mas como ainda há um elevado número de CD4 no corpo, a pessoa não apresenta nenhum sintoma e pode levar em torno de 10 anos até aparecer um sintoma (esse tempo varia de pessoa a pessoa), mas se a pessoa inicia o tratamento em seguida, a pessoa pode ter uma vida longa e feliz, por isso, é importância que se inicie o tratamento logo no início.

3. Fase sintomática inicial

Nessa fase, o CD4 começa a diminuir bastante, começam a aparecer suores noturnos, cansaço, gengivite, herpes, diarreia e perda de peso.

4. AIDS

Quando o CD4 está abaixo de 200 células/mm3, considera-se que a pessoa desenvolveu a AIDS. Mas esse quadro pode ser revertido com o tratamento adequado.

Trocando em miúdos:

  1. O vírus é contraído pelo contato sexual ou com sangue contaminado. No primeiro caso, acredita-se que ele grude em células imunológicas chamadas dendríticas, presentes nas mucosas da boca, da vagina, do pênis, do reto e do trato gastrointestinal. Elas o transportam aos nódulos linfáticos (onde são produzidas e armazenadas células de defesa).
  2. Como precisa de uma célula hospedeira para se manter vivo, o HIV age já nas primeiras horas após a infecção. Ele tem uma espécie de “encaixe” que o conecta perfeitamente a receptores na membrana das células T CD4+, um tipo de linfócito que organiza a reação do corpo a invasores. Mas outros órgãos, como o cérebro, também podem ser afetados e usados como esconderijo.
  3. O vírus então libera uma enzima chamada transcriptase reversa, que altera seu próprio material genético, convertendo-o de RNA para DNA. Isso permite que ele se integre ao código genético da T CD4+. Uma das classes de medicamentos para tratamento anti-HIV bloqueia justamente essa enzima. O HIV pode permanecer inativo por muitos anos.
  4. O invasor continua produzindo novas enzimas com diferentes funções, como a replicação de seu material genético, a criação de proteínas longas e a quebra dessas proteínas. Depois, esses “pedaços” são unidos ao seu próprio DNA. É isso que lhe permite criar a base para “se duplicar”. Parte do coquetel anti-HIV visa bloquear uma dessas enzimas, a protease.
  5. O novo vírus se separa da célula T CD4+ e rouba uma parte de sua membrana, com todas as estruturas necessárias para se juntar a outra T CD4+ e reiniciar o processo. Isso significa que o HIV passou a gerar cópias de si mesmo. Com seu funcionamento gravemente afetado, as T CD4+ vão se tornando menos eficientes e perdendo sua habilidade de combater outras doenças.
  6. O número de células T CD4+ diminui. Normalmente, temos entre 800 e 1200 delas por milímetro cúbico de sangue. Quando esse total fica abaixo de 200, o organismo se torna vulnerável a infecções oportunistas. Além disso, o paciente sofre com perda de peso, diarreia e problemas neurológicos. É a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS).

Pontos Importantes

  • Nunca é tarde ou cedo demais para iniciar o tratamento do HIV.
  • Quanto maior for o seu CD4 ao iniciar o tratamento, menores serão as chances de um efeito colateral mais forte. Mas saiba que, um CD4 alto não é garantia de não ter efeitos com os remédios.
  • Ter HIV é diferente de ter a AIDS, entenda a diferença aqui.
  • Uma pessoa que tenha desenvolvido o quadro de AIDS, pode revertê-lo com o tratamento e acompanhamento adequado.

Fonte: AIDS.GOV.BR, MUNDO ESTRANHO, WIKIPEDIA

Autor do Post Jeff

Eu sou o Jeff! Muito prazer! Sou soropositivo há 15 anos. Levou bastante tempo até eu aceitar essa minha nova condição e realidade, e depois de alguns percalços da vida eu levo uma vida boa e feliz! Criei esse blog para tentar te mostrar, que a vida é muito maior do que um mísero vírus e que não podemos fazer nossa vida girar em torno disso.

1 comentário em “Como funciona o HIV?

    Luciana ( 14/10/2016 - 3:40 PM )

    Existe a possibilidade da pessoa ter somente febre por varios dias na fase aguda ?
    Quando pergunto isso quero dizer, nao ter diarreia, nauseas, rash na pele e nem perda de peso, apenas febre e fadiga ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *